Mês: agosto 2014

O que você pensa sobre a instalação de uma base da PM na Praça Roosevelt?

Este será o tema desta Quinta da Resistência na Roosevelt Livre, a partir das 19h, venha dar sua opinião!

Confirme presença aqui: http://on.fb.me/1tVyAZE
 
Presença da PM na Roosevelt tem como marca a repressão e a violênica

Presença da PM na Roosevelt tem como marca a repressão e a violênica

No próximo dia 30 de agosto, a Guarda Civil Metropolitana irá desocupar o quiosque onde atualmente funciona sua base. No lugar, está prevista a instalação de uma base da Polícia Militar.

 
Não houveram consultas públicas sobre qual deveria ser a destinação do espaço. Simplesmente apontaram: sai GCM, entra PM.
 
É isso que os usuários, moradores, comerciantes e a população de SP realmente querem? Venha responder a esta questão, nesta Quinta da Resistência na Roosevelt Livre, dia 28, 19h, na Praça Roosevelt.
Anúncios

Greenhalgh conversa sobre as prisões políticas de ontem e hoje

legNa próxima quinta-feira, 21 de agosto, às 19h, o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh estará na Praça Roosevelt para discutir as prisões políticas. Defensor de Fábio Hideki, Greenhalgh foi também um dos mais ativos advogados de militantes que foram perseguidos e presos durante a ditadura militar no Brasil.

A roda de conversa faz parte da sétima edição da Quinta da Resistência na Roosevelt Livre, ocupação permanente da praça, sempre às quintas, às 19h. O evento no facebook está neste link: http://bitly.com/1oJnLuT

Em recente entrevista sobre a prisão de Hideki, Greenhalgh foi categórico: “É absolutamente ilegal”. Em sua opinião houve “uma conjugação de esforços e de sintonia entre o Ministério Público, o Departamento de Inquéritos Policiais (Dipo), a polícia e o governo do estado de São Paulo, que está sendo cobrado a tomar uma providência, a restabelecer a segurança, diante das manifestações. Tanto meu cliente quanto o Rafael acabaram sendo vítimas da necessidade que a polícia tinha de pegar alguém como exemplo, como bode expiatório, para dar uma satisfação em ano eleitoral”.

Fábio Hideki e Rafael Marques Lusvarghi foram presos no dia 23 de junho após participarem de manifestação na Avenida Paulista. Eles ficaram encarcerados por 46 dias e tiveram habeas corpus negado reiteradas vezes pela justiça, até que a perícia concluiu que os materiais que portavam não eram explosivos, como afirmavam o Ministério Público e a polícia.

Leia a entrevista de Luiz Eduardo Greenhalgh à Rede Brasil Atual sobre o caso.

Arte de Rua é o tema da Roosevelt Livre #6

foto-arte-de-rua-vcpracaDando sequência à proposta de ocupação do espaço público, na próxima Quinta da Resistência na Roosevelt Livre, o Coletivo Arrua leva para o debate, nesta sexta edição, o tema “arte de rua”. Para confirmar presença no evento no face clique aqui.

A partir das 19h, o jornalista Dafne Sampaio, autor de intervenções como “Você praça, eu acho graça. Você prédio eu acho tédio”, “reiOpixo” e “peso do mundo”, apresenta seu trabalho e conta sobre a inspiração para ocupar os muros da cidade.

Vamos falar também de mais um caso de violência policial: o assassinato de Alex Dalla Vecchia Costa e de Ailton dos Santos. Os dois conhecidos pichadores da cidade, foram executados pela Polícia Militar na madrugada de 31 de julho em um edifício na região da Móoca, na zona leste de São Paulo, quando provavelmente, se preparavam para mais uma intervenção.

Na sequência do debate, a partir das 20h30, será exibido o documentário “Pixo” de João Wainer e Roberto T. Oliveira, produzido pelo Sindicato Paralelo/Prodigo. O filme discute o impacto da pichação como fenômeno cultural na cidade de São Paulo e sua influência internacional como uma das principais correntes da Street Art. O filme participou da 33ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (2009) e da exposição Né dans la Rue (Nascido na Rua), da Fondation Cartier pour l’Art Contemporain, em Paris. O documentário mostra a realidade dos pichadores, acompanha algumas ações, os conflitos com a polícia e mostra um outro olhar sobre algumas intervenções já muito exploradas pela mídia.

Se você quiser propor alguma ação ou atividade na Roosevelt Livre, clique aqui para ter acesso a agenda coletiva e compartilhada.

Assista ao trailer do documentário “Pixo”

Conheça a cartilha sobre a violência policial e desmilitarização

capa cartilhaEntre os dias 17 de maio e 07 de agosto, a campanha “Por que o senhor atirou em mim?” realizou o “Festival Contra a Violência Policial”. Foram realizadas uma série de atividades, como colagem de lambe lambe, debates, exibição de filmes entre outros.

O encerramento do festival, previsto com um grande show na Praça Roosevelt, foi impedido de ocorrer pela Guarda Civil Metropolitana e Polícia Militar, numa atitude autoritária e ilegal.

Apesar disso, um dos frutos deste processo foi a confecção de uma cartilha que discute o tema da violência no país, em particular aquela cometida pelas polícias. O material também trata da desmilitarização da PM e apresenta a campanha “Por que o senhor atirou em mim?”.

Baixe aqui a cartilha sobre violência policial e desmilitarização

Arrua e coletivos realizam ocupação permanente da Praça Roosevelt

Pseudo representação dos moradores da região da Roosevelt gostaria de ver a praça fechada

Pseudo representação dos moradores da região da Roosevelt gostaria de ver a praça fechada

Você sabia que tem gente que defende que a Praça Roosevelt seja cercada e trancada? Parece absurdo, mas é verdade, como você pode conferir no post ao lado, publicado no perfil do facebook da Polo Roosevelt, uma associação que pseudo representa os moradores da região da praça.

Contra as grades e principalmente em defesa dos espaços públicos, abertos, livres e desmilitarizados é que o Coletivo Arrua e outros grupos iniciaram o Roosevelt Livre, uma ocupação permanente da Praça Roosevelt, sempre às quintas, às 19 horas. A proposta é realizar rodas de conversa, música, oficinas abertas, desenvolvimento de projetos, ações lúdicas, apresentações artísticas ou o que mais der na telha.

Na mesma direção, os Advogados Ativistas, grupo de defensores que atuam no acompanhamento das manifestações de rua e na defesa de manifestantes e ativistas detidos pela polícia em condições ilegais, também propôs a ocupação da praça com atividades políticas e culturais, com nome “Quintas da Resistência”.

Com o objetivo de gerar sinergia entre as ações, foi criada uma agenda compartilhada de eventos, a chamada “Quintas da Resistência na Roosevelt Livre”, através de uma agenda coletiva, qualquer grupo propõe atividades na praça. Clique aqui para acessar a agenda.

Coletivo A Batata Precisa de Você contou a experiência deles na ocupação permanente do Largo da Batata

Coletivo A Batata Precisa de Você contou a experiência deles na ocupação permanente do Largo da Batata

No primeiro mês de Roosevelt Livre, muita coisa já aconteceu, teve roda de conversa sobre o direito à cidade, apresentação do coletivo A Batata Precisa de Você que ocupa todas às sextas o Largo da Batata em Pinheiros, na última quinta-feira (31/07), o arquiteto Luis Felipe Abbud apresentou pesquisa de sua autoria sobre o histórico arquitetônico da praça e sobre os grupos que a ocupam.

No Roosevelt Livre #5, o Arrua traz para o debate a pesquisa “Opinião dos Policiais Brasileiros sobre Reformas e Modernização da Segurança Pública” realizada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e apresentada pela Thandara Santos, uma das coordenadoras do estudo. Antes da pesquisa, apresentamos também a mostra fotográfica “Piratas Urbanos”, do fotógrafo Sérgio Silva.

Você confirma presença no próximo evento aqui e curte a o perfil do Coletivo Arrua aqui.